Sabores do outono

Boa Mão Gastronomia Funcional

Foto: Isabela Freitas

Uma nova estação se inicia hoje e, com ela, sabores mil. Pensando em alimentos que ficam em alta nessa época do ano, o Boa Mão Gastronomia ensina três receitas práticas e nutritivas para acompanhar algumas das delícias que eles preparam.

A escolha dos ingredientes leva em conta o período de safra de cada alimento para comer melhor e encontrá-lo com facilidade. Em cada mês do ano, há frutas, legumes, verduras e pescados mais propícios para consumo.

Por ter sido produzido em condições climáticas ideais, o alimento oferece uma qualidade nutricional maior, além de sabor e aromas mais intensos. Outra vantagem de consumir alimentos na safra é que seu cultivo pode conter menos agrotóxicos.

Vale ressaltar que o Brasil é um dos países que mais usa agrotóxicos no mundo. Sempre que possível, é importante estimularmos o uso de orgânicos para o bem da nossa saúde e fortalecimento dos agricultores.

Safra de março

Frutas: abacate, abacaxi, ameixa, banana-nanica, coco verde, figo, fruta do conde, goiaba, jaca, limão, maçã, mamão, mangostão, nectarina, pera, uva, pêssego, seriguela e tangerina.

Verduras e legumes: acelga, alface, alho-poró, coentro, escarola, repolho, rúcula, salsa, abóbora, abobrinha, berinjela, beterraba, cará, chuchu, gengibre, inhame, jiló, milho verde, nabo, pepino, quiabo e tomate

Vamos às receitas:

Prato principal: kibe de quinoa
Acompanhamento: berinjela recheada com burrata de búfala ao forno

Foto: Isabela Freitas

A berinjela é um dos legumes da estação. Superversátil e com apenas 16kcal e 2,4g de carboidrato por cada 100g, é muito rica em potássio, fósforo, cálcio e magnésio. A sua casca é rica em vitaminas e pigmentos que lhe conferem a cor roxa tão característica, as antocianinas, um excelente antioxidante que combate o envelhecimento precoce.

Ingredientes:
– 1 colher sopa de azeite
– 1 berinjela, cortadas ao meio na horizontal e a polpa retirada
– 1 cebola bem picada
– 1 dente de alho picado
– Sal e pimenta-do-reino a gosto
– 2 colheres de sopa de queijo burrata de búfala
– 1 colher chá de salsinha picada
– 4 tomates cereja

Modo de preparo:
– Pré-aqueça o forno a 180°C
– Esquente o azeite e refogue nele a polpa da berinjela junto com a cebola e alho e tempere com sal e pimenta.
– Coloque o refogado nas cascas das berinjelas e cubra cada uma com queijo, tomate cereja e salsinha.
– Asse por 30 minutos, ou até a berinjela ficar bem macia e o queijo derretido.

***

Prato principal: empadão de frango
Acompanhamento: salada tropical

Receita Boa Mão Kiwi Abacate Figo

Foto: Isabela Freitas

Rico em fibras e vitaminas C, o figo tem, a cada 100g, somente 84kcal. Por ser rico em quercetina, um potente antioxidante, a fruta é excelente coadjuvante nos tratamentos da pele. Aproveite a estação e se delicie com essa salada fresca e tropical para acompanhar o empadão!

Ingredientes:
– 4 folhas de rúcula
– 2 folhas de alface roxa
– 1 figo
– ¼  avocado
– ½ kiwi
– 1 col. sopa de azeite
– 1 col. sopa de nozes
– 1 col. sopa de amêndoas laminadas
– Sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
– Higienize as folhas e disponha em uma travessa.
– Corte o figo em quatro partes iguais, descasque o kiwi e corte rodelas, corte o avocado em cubos e disponha as frutas por cima das folhas.
– Para finalizar salpique por cima as amêndoas laminadas, nozes e tempere com azeite extra virgem, sal e pimenta do reino.

***

Prato principal: brigadeiro fit
Acompanhamento: panqueca low carb

Panqueca Boa Mão

Foto: Isabela Freitas

A farinha de coco é rica em fibras e aumenta a sensação de saciedade. Superversátil, pode ser usada em panquecas, bolos ou pães. Execelente opção para os adeptos de dietas com diminuição de carboidratos.

Ingredientes:
– 1 col. sopa de farinha de coco
– 1 col. sopa de farinha de tapioca
– 1 col. sopa de água
– 2 ovos caipiras
– 1 col. chá de óleo de coco

Recheio:
– 1 col. sopa de pasta de amendoim

Modo de preparo:
- Misture em um bowl ou pote de vidro todos os ingredientes e leve para a frigideira anti aderente untada com óleo de coco.
– Espalhe o líquido e espere formar a panqueca até ter consistência para virar.
– Vire, espere mais alguns segundos e está pronta.
– Passe a pasta de amendoim no interior e enrole como uma panqueca.
– Derreta o brigadeiro fit por 10 segundos no microondas e adicione 2 colheres de copa por cima da panqueca.

***

Prato principal: brownie
Acompanhamento: frutas da estação grelhadas no óleo de coco

Receita Boa Mão Pera

Foto: Isabela Freitas

A banana da terra é rica em magnésio e triptofano, fundamentais para a produção de neurotransmissores como a serotonina, que estimulam o bom-humor e a tranquilidade. Por isso, a banana pode ser uma aliada contra a TPM, tendência à tristeza e processos depressivos. Quando unimos o poder do chocolate ao da banana, à leveza do figo e à pêra, o objetivo é trazer sensações maravilhosas. 

Ingredientes:
– 1 figo
– 1 pera
– 1/2 banana da terra
– 2 colheres de sopa de óleo de coco
– 1 pitada de canela em pó
– hortelã à gosto

Modo de preparo:
- Corte as frutas em quatro, na transversal.
– Aqueça a frigideira com 2 col. sopa de óleo de coco e grelhe as frutas de um lado e depois do outro.
– Adicione um pitada de  canela em pó e monte ao lado do brownie.

 

 

Alimentos para diminuir a ansiedade e melhorar o sono

Alimentação e ansiedade 1

Foto: www.instagram.com/navanel

A ansiedade é um dos maiores perigos para a saúde. Ela altera a produção de hormônios, levando à perda ou ao aumento de peso de forma drástica e nada saudável. E quem hoje em dia está imune aos seus sintomas? Temos pouco tempo livre para ler, apreciar a natureza, jogar conversa fora, dormir, ficar em silêncio. São mil prazos a cumprir, metas a bater, família para sustentar, amigos para ajudar.

Com toda essa velocidade e aumento do estresse, a qualidade de sono cai, o que compromete o desempenho, a memória, o humor, a alegria e a fome. Quando dormimos pouco, comemos mais, engordamos, ficamos irritadas e ainda mais ansiosas. Estudos mostram que pessoas que dormem pouco sentem mais fome e comem mais alimentos calóricos para se manterem acordadas do que as pessoas que dormem entre 7 e 9 horas por noite. Se você dorme menos que 7 horas por noite, experimente aumentar algumas horas de sono antes de mudar a dieta.

Alimentação e ansiedade 2

Foto: www.instagram.com/alphafoodie

Mas como controlar o estresse e baixar a ansiedade através da alimentação?

A primeira coisa a se pensar para controlar a ansiedade é não abolir 100% os carboidratos do seu dia a dia. Como os carboidratos oferecem energia rápida para o corpo, uma alimentação pobre em “carbo” vai estressar o organismo, aumentando os níveis de cortisol no sangue a fim de obter energia por outra via. Porém, o cortisol, hormônio do estresse, é antagônico à melatonina, hormônio do sono. Ou seja, quanto mais alto o cortisol estiver no sangue, menor será a liberação de melatonina e, com isto, maior dificuldade em relaxar. Além de não abusar nas quantidades, é importante priorizar os carboidratos de qualidade como frutas, vegetais, arroz integral, arroz preto, batata doce, batata baroa, inhame e aipim. E evitar os doces, arroz branco, pães, salgadinhos fritos, pacotes industrializados que levam ao vício e à compulsão.

Alimentação e ansiedade 4

Foto: www.instagram.com/bettinadarger

A segunda coisa para o controle do estresse e da ansiedade é adequar alguns nutrientes através da ingestão dos alimentos abaixo:

  • magnésio – amêndoas e folhas verde escuras como espinafre, couve, taioba, agrião, rúcula
  • vitamina B5 – atum, iogurte, ovos
  • triptofano – ovos, carnes, laticínios, banana, aveia, cacau;
  • melatonina – cereja, aveia, semente de girassol;
  • teanine – chá verde;
  • probióticos (bactérias benéficas para nossa saúde como os lactobacilos vivos) – kombucha, kefir, iogurte, leite fermentado e suplementos ajudam a melhorar a flora intestinal, e garantem uma produção de serotonina adequada através do intestino;
  • prebióticos (compostos não-digeríveis pelas enzimas do intestino, mas que alimentam e estimulam o crescimento dos probióticos) – vegetais fibrosos como chicória, alface, repolho, acelga, brócolis;
  • abacate – fonte de gorduras boas que nutrem o cérebro de B-sitosterol, substância capaz de baixar os níveis de cortisol e ansiedade.

Para começar o dia mais calmo, experimente tomar no café da manhã uma vitamina feita com abacate, cacau, leite de amêndoas e mel e ingerir chá verde durante a manhã para aumentar a energia, foco e concentração, ao mesmo tempo em que relaxa o cérebro. No almoço sugiro uma salada colorida com peixe grelhado, brócolis refogado, purê de baroa e uma fruta de sobremesa. Já no lanche da tarde, um punhado de nozes com fruta (ou iogurte com semente de girassol). O jantar pode ser nos moldes do almoço. Se precisar, antes de dormir coma uma banana assada com canela e uma xícara de chá de melissa com jasmim. Voilá!

Alimentação e ansiedade 3

Foto: thewildgut.com/cranberry-spice-kombucha

Ah! Assim como existem alimentos que promovem a calma, há os que pioram a ansiedade. São eles: aditivos alimentares (corantes, espessantes, adoçantes, conservantes),  açúcar refinado (doces), glutamato monossódico, cafeína, álcool, refrigerantes. Fuja ao máximo destes alimentos.

Por último vale lembrar que a atividade física ajuda na liberação de hormônios e regulam neurotransmissores que diminuem o estresse e a ansiedade, por isto, faça exercícios físicos com regularidade.

Para começar

receita 1

Foto: Mind Body Green

E agora, como se recuperar do Carnaval e ainda se preparar para o fim de semana? É hora de respirar fundo, fazer um detox daqueles e repor as energias.

A dica é recuperar as forças com smothies nutritivos, como a versão cremosa de um suco verde daqueles que levanta qualquer corpinho abatido por dias de muita alegria no salão. Anote:

– Água
– Folhas de couve
– Banana
– Abacate
– 1 colher de semente de chia
– 2 colheres de linhaça
– Adoce com mel se precisar

receita 2

Fotos: Mind Body Green | Well and Good

Ou então uma versão mais refrescante e revigorante, daquelas que dá para revirar os olhos de delícia com:

– Pera
– Limão siciliano
– Pepino
– Couve
– 1 colher de gengibre

Para quem adora alimentos coloridos, nossa sugestão é se jogar nessa bebida com versão tropical:

– Espinafre
– Beterraba
– Laranja
– Água de coco
– Abacaxi

Afinal, por que não levar o clima leve e repleto de cores do Carnaval para o resto do ano?

Comamos!

Receitas

Imagens: Facebook Eu Como Sim

Se quem é de cozinhar acaba gastando horas fuxicando o site Eu Como Sim, imagina os apaixonados por uma brincadeira de panelas. Além de receitas para lá de azeitadas, a chefe Karen Goldman ainda conta histórias, visita lugares e dá dicas simples que transformam qualquer feijão com arroz em banquete.

Receitas

Imagens: Facebook Eu Como Sim

Tratando a gastronomia como cultura e arte, a brasileira moradora de Paris acaba despertando a curiosidade até dos menos talentosos, digamos assim, fazendo com que qualquer mortal queira arriscar uma receita. De pratos que assustam pela sofisticação até a simplicidade de um bom molho de tomate, dá para viajar por horas entre as comidinhas do site, que também indica objetos de cozinha, restôs incríveis pelo mundo e oferece menu à domicílio para os mais sortudos.

Receitas

Imagens: Facebook Eu Como Sim

E por que não passar o fim de semana que antecede o Carnaval de pés para cima em casa, se deliciando?

Comida que (se) transforma

David Hertz 1

Foto: Angelo Dal Bó

Com uma ideia inovadora na cabeça e alimentos nas mãos, o chef curitibano David Hertz tinha os ingredientes perfeitos para um prato, ou melhor, um refeitório transformador. O que o motivou? Um mundo com absurdos abismos sociais e desperdício de comida. Diante deste cenário, deixou o emprego num restaurante paulista para ensinar jovens da periferia a cozinhar em sua própria casa, sem cobrar nada por isso. Assim surgiu o projeto Gastromotiva que, a partir de um curso profissionalizante em gastronomia, já capacitou 2.5000 pessoas de baixa renda a ingressar no mercado de trabalho, com 80% deles já empregadas.

O Refeitório Gastromotiva veio logo depois, em parceria com o chef Massimo Bottura. O projeto surgiu nas Olimpíadas, onde eles serviram jantares gratuitos para alimentar pessoas em vulnerabilidade social. E não para por aí: os pratos eram feitos a partir das sobras de ingredientes que iriam para o lixo da Vila Olímpica. O restaurante migrou para o Centro do Rio e vai operar em dois formatos. Já está servindo pessoas carentes à noite sem que elas paguem pelas pelas refeições. A novidade será no almoço, hora em que abrirá ao público em geral, num esquema “pague o almoço e deixe o jantar”.

Não é de emocionar? São pessoas como David que fazem toda a diferença. Confira a entrevista:

Gastromotiva

Foto: Instagram Gastromotiva

O que é ser chef para você?
Hoje o chef, além de um cozinheiro, é um líder. A voz e a influencia dos chefs podem contribuir para os modelos de futuro do consumo da comida e de produção sustentável, com a responsabilidade de que todas as pessoas do mundo tenham direito a fazer uma refeição saudável, com dignidade. Além disso, usando o grande poder de consumo que a comida promove, gerar empregos que incluem pessoas sem oportunidades de trabalho. A cozinha é a ferramenta mais democrática para o aprendizado e para o trabalho.

Como e quando surgiu a ideia de criar o Gastromotiva?
Em 2006, eu deixei minha posição num restaurante paulista para ensinar jovens da periferia a cozinhar na minha própria cozinha, sem cobrar nada por isso. O que começou como um sonho arriscado, acabou se transformando no que a Gastromotiva é hoje. Fiz tudo isso por perceber que a união de toda a bagagem que a vida me proporcionou, aliada ao poder da comida e às necessidades da população mais carente, são o combustível perfeito para a transformação de novas vidas. Esse sonho acabou gerando o 1º projeto social que usaria a gastronomia como ferramenta capaz de promover educação, novos empregos e geração de renda. Nossa 1ª iniciativa foi o Curso de Capacitação em Cozinha, mas hoje já temos projetos para empreendedores, combate à obesidade infantil, regressos do sistema prisional e outros.

E o ReffetoRio Gastromotiva?
O Refettorio Gastromotiva é uma das principais vozes da Gastronomia Social no Mundo. Durante o lançamento do Refettorio Ambrosiano, em 2015, fundado pelo Massimo Bottura, na Itália, a jornalista e nossa amiga em comum Alexandra Forbes fez a ponte e nos conectou. Fui lá cozinhar para pessoas que moravam na rua, junto com a Katia, a Bianca Barbosa e o Diego dos Santos, um dos alunos da Gastromotiva que hoje está se formando na Universidade do Slow Food na Itália. Lá nos conhecemos, nos encantamos um com a proposta do trabalho do outro e resolvemos juntos empreender o Refettorio Gastromotiva, no Rio de Janeiro durante as Olimpíadas, para atuar em 4 pilares: combater o desperdício de alimentos, empoderar jovens, ensinar sobre saúde e alimentação e contribuir com o resgate da dignidade humana. O Refettorio Gastromotiva é um projeto da Gastromotiva (fundado por mim), Food for Soul (do chef Massimo Bottura) e da jornalista Alexandra Forbes, que já serviu mais de 6.500 refeições para pessoas em vulnerabilidade social e evitou o desperdício de mais de 15 mil quilos de ingredientes ótimos para o consumo humano, mas que estavam a caminho do lixo. A iniciativa é um legado para a cidade do Rio de Janeiro. Um HUB do Movimento Global da Gastronomia Social no coração do Rio de Janeiro.

Refettorio Gastromotiva

Foto: Instagram Gastromotiva

Você criou os projetos do zero? Ou se inspirou em outros projetos que viu pelo mundo?
Somos referência em Gastronomia Social no Brasil e no mundo. O movimento se articula de forma orgânica e eu sou um dos porta-vozes, tento levar a questão da gastronomia social para players que nem sempre têm a ver com o tema de cara (como o Banco Mundial, por exemplo). A ideia é que cada vez mais as organizações que utilizam a gastronomia como ferramenta para transformação social se juntem e compartilhem seus trabalhos e boas práticas, aumentando as possibilidades que a gastronomia pode oferecer. Disseminamos, fortalecemos este conceito e nos relacionamos com várias iniciativas desse tipo, como a parceria com o chef Patrick Honauer em Davos (Suíça), os projetos The Clinck, Koto… são vários.

Você passou 7 anos fazendo mochilão pelo mundo. O que você fez nesse tempo? Em quais lugares morou?
Eu nasci em Curitiba e aos aos 18 anos fui morar num Kibutz em Israel. Acabei viajando pelo mundo por 7 anos. Essas viagens me fizeram descobrir minhas maiores paixões: pessoas, comidas e lugares. Nesses caminhos pelo mundo, passei por diversos países, os que mais me marcaram foram a Índia e o Canadá. A Índia tem muitos problemas, mas as pessoas não sentem medo de sair na rua. De alguma forma, a diversidade religiosa e a estrutura das castas trazem respeito pela vida e o espaço uns dos outros. Isso me trouxe segurança para transitar por qualquer lugar. Por outro lado, me lembro que no Canadá alguns amigos limpavam piscinas e neve, e ainda assim tinham condições de passar suas férias em Miami. Eram pessoas simples, mas viviam uma vida com dignidade, mesmo fazendo serviços que não recebem o devido valor na sociedade brasileira.

David Hertz 2

Foto: Angelo Dal Bó

O que te inspira a mudar tantas vidas?
Os abismos sociais, o desperdício de alimentos enquanto tantos passam fome, a falta de oportunidade para jovens… Todas essas constatações nos incomodam e ao mesmo tempo motivam para fazermos cada vez melhor nosso trabalho, reunindo chefs, donos de restaurantes, empresários e produtores em torno do movimento global da Gastronomia Social.

O Gastromotiva funciona em quais cidades?
Hoje estamos em São Paulo, Rio de Janeiro (Gastromotiva e Refettorio Gastromotiva), Curitiba, Salvador e Cidade do México. Esse ano vamos para África do Sul e Argentina.

Sabe quantos alunos já formaram até hoje?
Já graduaram no Curso Profissionalizante em Cozinha mais de 2.500 jovens e 80% deles estão empregados!

Consegue eleger seus 5 pratos preferidos?
Curries tailandeses, moqueca vegetariana, Eggs Benedicts, Molle de frango mexicano e todos os pratos com mandioquinha.